sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Artigo sobre o livro Destralhe a sua casa no Jornal Publico



" O novo ano já começou e ainda está preso a tudo o que foi amontoando em 2017? Tem medo de desfazer-se das coisas? Não sabe como arrumá-las ou como limpá-las? O PÚBLICO pediu alguns conselhos a quem sabe os segredos para ter uma casa limpa e arrumada e falou com as autoras Paula Margarido, que sabe como pode "destralhar" a sua casa, e Filipa Brandão, que dá algumas dicas sobre como deve cuidar da casa de uma forma mais económica e ecológica.

PUB

Como formadora de Feng Shui, uma prática oriental que ensina a criar espaços com boas energias, Paula Margarida explica que antes de “harmonizar a casa” com as práticas desta técnica chinesa, é necessário “destralhar”. Para a autora, o termo é sinónimo de “renovar a energia da casa e deitar fora tudo o que nos traz más recordações e má energia”. Para uns é um processo fácil, para outros o desapego é complicado e traz alguma tristeza.

“Quando a nossa casa está uma confusão, a nossa cabeça também acaba por sentir-se confusa e desorganizada”, explica, acrescentando que não é necessário “deitar nada fora”, uma vez que quase tudo se pode “vender, doar ou reciclar”. Segundo a autora do livro Destralhe a Sua Casa, quando a casa está organizada e limpa, a pessoa consegue usufruir da mesma, descansar, recarregar baterias e socializar, "já que se sente mais à vontade para levar pessoas a sua casa, sejam familiares ou amigos".

Para Paula Margarido, a desorganização, seja estética ou física, é uma “espécie de bola de neve”, que faz com que as pessoas comecem a ficar estagnadas tanto a nível profissional como pessoal. Um caso comum deve-se ao facto de algumas pessoas não serem capazes de se desligar de fotografias ou objectos alusivos a relacionamentos passados. “Quando conseguem desanuviar a casa, ou seja, libertarem-se da tralha sentimental, emocional, acabam por se sentir mais aliviadas e leves. Isto acontece com divórcios, separações, morte de familiares ou pessoas próximas. Estes objectos trazem memórias de alegria, mas também de tristeza”, esclarece. Assim, a autora propõe que só se mantenha em casa aquilo que nos traz boas memórias.

Segundo Paula Margarido, as melhores alturas para destralhar a casa é no início do novo ano, nas mudanças de estação, quando se muda de casa e depois da morte de alguma pessoa próxima.

Numa casa a energia tem de fluir e, mesmo a nível estético, quando se tem muitos objectos decorativos cria-se alguma confusão visual que acaba por apagar o valor de outras peças decorativas, explica. Nesse caso, e como arquitecta, Paula Margarido explica que é importante criar armários funcionais e espaços para cada tipo de objecto, seja roupa, utensílios de cozinha, livros ou outros. “Como é que podemos organizar a casa? Os armários e roupeiros devem ser fechados, de maneira a conseguir um ar mais limpo e minimalista, evitando a confusão visual.”

Em relação à organização pessoal, a autora acrescenta que as mulheres que têm um grande papel nas respectivas casas, assim como na vida profissional, devem pedir ajuda a toda a família e não deixar acumular tarefas, como passar a ferro ou ir às compras, o que facilita a gestão e o relacionamento familiar. “É depois do destralhar que a casa começa a respirar.”

Jornalista Catarina Sales
Publico



Sem comentários:

Publicar um comentário